o sinal está fechado para nós que somos jovens

Estive aqui pensando. Muito se fala, e com razão, das imprudências dos motoristas no trânsito. Dirigir é uma arte que eu admito não dominar tanto assim, mas é quando estou no volante que vejo as coisas por um prisma diferente, e justamente por saber que não sou um Ayrton Senna da vida, que tento dirigir com o máximo de cuidado possível. Não temo pelo carro, porque para mim ele funciona como uma espécie de armadura para me proteger. Também não tenho medo de morrer, pois como não costumo acelerar muito, acredito que só morro se um caminhão em alta velocidade bater em mim. Sou o cara da passagem. Dou passagem para todo mundo. Não tenho pressa. Estou ali no carro, com ar-condicionado, ouvindo as músicas que eu gosto, então para que me desesperar? No entanto, hoje, quando tenho que sair de carro, o maior medo que tenho é de matar alguém. As pessoas simplesmente se jogam na frente dos carros quando querem atravessar a rua. É muito comum estar passando por algum lugar e, do nada, surgir um pedestre correndo. Sempre fico me perguntando o que aconteceria se eu não dirigisse devagar. O pedestre pode não só acabar com a própria vida, como destruir a minha. Sou um usuário dos coletivos. Uso ônibus diariamente. Só uso o carro para passeios curtos, ou para levar meus pais, que não sabem dirigir, para algum lugar que eles queiram ir. Sei o quanto é frustrante perder um ônibus por questão de segundos. Não há uma semana sequer em que isso não aconteça comigo pelo menos uma vez. Sei o que é ver um ônibus não parar porque ele está tão lotado que não cabe mais ninguém. Pior ainda, sei o que é dar sinal, e o motorista não parar. Sei o que é esperar debaixo de sol e de chuva. Sei o que é subir em um ônibus lotado e passar a viagem inteira me espremendo para chegar até a porta de saída. Sei o que estar em um ônibus que quebra no meio do caminho. Sei até o que é estar dentro de um ônibus durante um assalto. Mas acreditem, prefiro andar de ônibus a dirigir carro. Quando o motorista bate, a culpa não é minha. Com as vias exclusivas para ônibus, chego mais rápido do que de carro. Durante um engarrafamento, adianto a leitura se estiver sentado ou uso o celular se estiver em pé. A caminhada de uma parada até outra serve como um exercício. Sei que não tenho pânico de dirigir, caso contrário não conseguiria ou o faria com muito esforço. Como usuário de coletivos, sei que a distância entre uma faixa de pedestre e outra quase sempre é absurda. Fico pensando: mais faixas e passarelas resolveriam? De que adiantam mais faixas se os motoristas não param? Canso de ver locais em que os pedestres preferem se arriscar na pista a atravessar na passarela. Educação é a única solução. Quando estudamos para conseguir a habilitação, aprendemos uma regra muito linda: o maior protege o menor. Uma pena que fique só no discurso. Os patrões não são compreensíveis, e estamos sempre correndo para não chegarmos atrasados. A rotina nos cansa e, no final do dia, tudo o que queremos é voltar para nossas casas. Quando estou na faixa de pedestre esperando o sinal abrir para mim e vejo o meu ônibus passar do outro lado, fico pensando: de que adianta me jogar na frente dos carros? O atraso pode nos fazer perder o emprego, mas como vamos trabalhar mortos? O maldito sinal, que parece nunca fechar para os carros, pode nos fazer esperar muitos minutos pelo próximo ônibus e nos fazer chegar bem tarde em casa, mas só dá para voltar para o lar se estamos vivos. Um querido professor de matemática costumava comentar em sala de aula que, toda vez que atravessamos uma rua, nosso cérebro realiza um cálculo muito complicado. Calculamos a distância entre a calçada que estamos e o outro lado da rua, assim como a distância dos carros na pista em relação a nós e, por fim, a velocidade que precisamos imprimir para atravessar até o outro lado. Esse é um calculo tão difícil, mas tão difícil, que às vezes erramos e o carro nos pega. Na ânsia de ganhar alguns minutos, perdemos a vida inteira.

Anúncios
Deixe um comentário

1 comentário

  1. Lucas G. Dias

     /  19 de dezembro de 2017

    Muito bom! :)

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: