haja paciência

Costumo jantar por volta das 20:00 horas, quando já estou em casa. Acabei me acostumando por ser esse o horário em que coloco o colírio nos olhos de minha mãe, que tem glaucoma. Nesse período da noite, estou quase sempre lendo ou escrevendo no meu quarto, que fica no primeiro andar da casa. Então desço e, depois de medicar minha mãe, faço minha refeição. A cozinha fica muito próxima da sala, onde a televisão fica ligada o tempo inteiro. Essa é também a hora em que meu pai já está de volta do trabalho. Ele janta mais cedo do que eu e depois fica na sala vendo novela até ir dormir (inclusive, sua noite de sono geralmente se inicia no sofá). Ele não é surdo, mas tem sua audição comprometida. Dessa forma, quando ele está assistindo, o aparelho de TV fica com o dobro do volume utilizado pelos outros moradores da casa. Da cozinha, ouço tudo o que se passa na novela. Então, sem querer, quase sempre estou por dentro das tramas.

Atualmente, neste horário, é transmitida uma novela chamada ‘Haja Coração’, em que um núcleo em específico tem me irritado bastante. Antes de falar sobre isso, tive que fazer uma rápida pesquisa para poder escrever esse texto. A novela é escrita por Daniel Ortiz, livremente inspirada em ‘Sassaricando’ de Silvio de Abreu, transmitida originalmente entre 1987 e 1988. ‘Haja Coração’ é a 88ª “novela das sete” exibida pela Rede Globo. Eu não sabia o nome dos atores e atrizes e muito menos o nome das personagens, então, se por acaso eu escrever alguma informação errada e vocês perceberem, por favor, me avisem que logo corrijo.

Pois bem, não é o fato de que o quarentão Malvino Salvador, protagonista da novela, tenha conseguido se transformar em um piloto de corrida nessa idade que vem me irritando, mesmo me incomodando com este elemento ficcional pouco crível, haja vista que com quarenta anos os pilotos profissionais já estão começando a planejar suas aposentadorias. Minha irritação também não é com a personagem de Tatá Werneck que, de tão exagerada, não dá nem para chamar de caricata. O que de fato vem torrando minha paciência é o núcleo de Sabrina Petraglia, Marcos Pitombo e Karen Junqueira que, pelo visto, se tornou um dos pontos principais da trama, pois toda noite escuto a mesma ladainha de seus personagens.

Felipe, interpretado por Pitombo, é disputado por Shirlei, personagem de Petraglia e Jéssica, vivida por Junqueira. Na trama, Shirlei é uma mulher virgem que nunca havia beijado na boca até conhecer Felipe – não sei qual a idade da personagem, embora sua intérprete, Sabrina, tenha trinta e três anos na vida real. Até aí, tudo bem, pois cada pessoa tem o seu tempo próprio e isso deve ser respeitado. Porém, a novela tem feito uma intensa e irresponsável exaltação a virgindade feminina, retratando Shirlei como uma garota pura (a famosa mulher para casar). Em um determinado capítulo, Felipe estava revelando a outro personagem – que eu não sei quem é, pois não vejo as imagens e só ouço as cenas – que tinha sido o primeiro homem a beijar Shirlei. Mesmo que estivesse usando um ponto de vista romântico, ele tratava o caso como uma conquista, um troféu, algo do que se orgulhar. Ele estava feliz por, dentre tantas mulheres com quem já ficou (na ficção), havia encontrado uma donzela imaculada.

Apesar dos pesares, Felipe é um rapaz de bem e realmente aparenta estar apaixonado por Shirlei e ela por ele. Todavia, não nos enganemos: seu encanto pelo puritanismo da moça, juntamente com a forma dela de se comportar atrelada a uma aparência virginal, é um oceano de conservadorismo. Incomoda-me profundamente também o fato de Shirlei ser tratada como uma pobre coitada por ser uma empregada doméstica. Sua profissão e condição social, inclusive, são largamente utilizadas por Jéssica, sua “rival”, para humilhá-la. É nesses momentos que Felipe, o príncipe encantado, entra em cena montado em seu cavalo branco para proteger sua amada que não consegue se defender sozinha. Felipe dá lições de moral em Jéssica através de falas dramaturgicamente pobres que revelam todas as “boas intenções” do autor em prestar um serviço de inclusão social em sua novela. Entretanto, ele só tem reforçado estereótipos e clichês. Um amador não faria pior.

Outro fato difícil de engolir, ou melhor, inaceitável, é que ainda encontremos num folhetim televisivo duas personagens femininas brigando por um homem. Jéssica, uma mulher rica, e que tem tudo o que quer, só estará feliz quando casar com Felipe. Shirlei, uma mulher pobre, e que não teve as mesmas oportunidades de Jéssica, também só ficará feliz quando casar com Felipe (o que a fará, consequentemente, atingir outra condição social através do casamento e não com os próprios méritos – embora essa não seja a intenção da personagem). Acredito que as atrizes não se orgulham de interpretar esses papéis, mas necessitam fazê-lo, afinal, precisam trabalhar e bons personagens femininos são desde sempre muito raros, quase que beirando a extinção.

Frequentemente me pergunto em que ano estamos para ter certeza de que não estou vivendo na Idade Média. Não sei vocês, mas considero ultrajante que um texto tão machista e reacionário como o deste núcleo de ‘Haja Coração’ ainda seja escrito nos dias de hoje. Pior ainda, que uma emissora de TV, de alcance nacional (e internacional), produza e transmita um absurdo desses. Shirlei pode sim ser uma mulher virgem aos trinta e três anos de idade. Que mal há nisso? Porém, fico me perguntando se Felipe se apaixonaria por ela se fosse uma personagem sexualmente experiente (sei que é ficção, mas por suas falas, tenho certeza que não). Ele está encantado demais com o puritanismo da moça e com a possibilidade de ser o primeiro (e único) homem a transar com ela.

É triste ver que, com produtos como esse, a Globo consiga ser a emissora mais assistida do Brasil. Isso só reforça o quanto somos um país conservador. Felipe é apenas o retrato do típico homem que quer a todo custo ser “especial” na vida de uma mulher, caso contrário, vai sempre se enxergar como sendo “só mais um”. Fico me perguntando o que fez com que Shirlei se mantivesse virgem. Será que foi escolha (na melhor das hipóteses)? E se foi mesmo uma escolha, será que ela o fez de livre e espontânea vontade? Livre da influência da igreja? Livre da influência do conservadorismo? Livre de uma sociedade patriarcal que diz que mulher deve casar virgem? É realmente difícil acreditar que foi uma escolha livre de influências. Como se não bastasse, em certo capítulo, Shirlei estava confessando para Francesca, personagem de Marisa Orth (que acredito ser mãe dela na novela), que estava muito apreensiva, pois havia começado a namorar Felipe e logo teria que transar com ele, pois ele não ia esperar muito, afinal, “ele é homem”. O machismo se contradiz o tempo inteiro: se a mulher não for virgem, não serve para casar, mas se não transar, é trocada por outra. Realmente não consigo entender.

Fico muito triste que o machismo ainda exista. Fico triste que músicas, novelas, livros e filmes machistas continuem a ser produzidos. Fico triste que uma novela como essa ainda seja consumida em larga escala. Fico triste que ela seja consumida por parentes tão próximos a mim. É assustador que os fãs da novela não consigam formar uma visão crítica em relação ao que assistem. Toda noite, durante os trinta minutos em que fico a ouvir da cozinha o “chorume das sete” enquanto janto e lavo a louça, podem ter certeza que não deixo em paz quem está na sala assistindo. Elenco em voz alta cada comportamento machista, homofóbico e racista que noto nessa trama e em outras, acreditando que um dia eles conseguirão enxergar isso com os próprios olhos. É um luta diária. No momento, só me resta torcer para que pelo menos as próximas não sejam tão horríveis quanto essa. Não por mim, mas por quem assiste. Enquanto essa não acaba, só me resta exercitar a paciência.

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

15 Comentários

  1. Incrível o texto! 👏👏👏 o pior é que virão mais tramas assim!

    Curtido por 4 pessoas

    Responder
  2. Novelas … Aff

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  3. Faz tempo que não assisto novelas. Atualmente só acompanho séries mesmo.

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  4. é essa repetição incessante e insistente do mesmo enredo que atrai os desavisados, a maioria das pessoas ainda crê que atrás do arco íris existe um pote de ouro.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  5. Lendo seu texto me peguei pensando em quanto tempo faz que não assisto este programas como forma de protesto, mas principalmente porque não dá né? Causa incômodo. Mas

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  6. Lendo seu texto me peguei pensando em quanto tempo faz que não assisto estes programas como forma de protesto, mas principalmente porque não dá né? Causa incômodo. Mas ao nos afastarmos deixamos espaço para que estes absurdos continuem existindo, que se perpetuem. Esta vida de senso crítico é complicada mesmo hein?

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  7. Seus textos são fantásticos!!! Fascinada ❤

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  8. Eu adoro os seus textos! <3
    A globo só está sendo globo. Uma pena!

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  9. O triste é saber que mesmo depois de tanta luta contra o machismo, podemos garantir ele ainda presente nas próximas gerações, pois ainda é algo passado de pai para filho….isso realmente é triste….Parabéns pelo seu blog…=)

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  10. Amei seu texto!

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  11. Moni Abreu

     /  1 de outubro de 2016

    Sim, estamos em 2016. E sim, isso é a Globo de sempre. Gostei demais da sua escrita. Estou compartilhando seu texto na pag. Despatriarcalizar, no Facebook. Beijins cafeinados!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  12. É algo que me intriga o vício que boa parte dos brasileiros têm por essas novelas repetitivas, enfadonhas e em boa parte tão mal produzidas… Quando garoto assisti várias delas, afinal, era o costume na casa, mas a única que me lembro, nem foi produzida pela Globo, foi Pantanal, realizada pela finada Tv Manchete… Quanto a sua reflexão, muito bem colocada por sinal, vejo nas telenovelas não mais um instrumento que tenta retratar a sociedade brasileira, mas sim molda-la, inclusive (e principalmente) no que diz respeito a sua forma de consumir (afinal de contas, quem paga a conta são os patrocinadores)… E no fundo, todas as distorções que você cita no seu texto, também estão ligadas a isso… Além de reforçar o nosso “lema de nação” atual: NÃO pense! Trabalhe!… Parabéns pelo texto!

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  13. Não tenho paciência para assistir novelas porque elas não acrescentam nada de útil e interessante .

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  14. Primeiramente, parabéns por reconhecer todas essas características absurdas quando a maioria das pessoas acha absolutamente normal. Em segundo lugar, muita coragem a sua por tirar meia hora de seu tempo pra assistir novela, mesmo que sem muita opção haha. Eu não consigo assistir novela há muito tempo. Abria uma exceção pra algumas séries da globo mas ultimamente até nisso eles estão irritantes. Qualquer um que tenha um pingo de senso crítico não consegue engolir esses personagens forçados, e como você disse, não é culpa dos atores, pois muitos deles são sensacionais quando os vemos no cinema ou em outra área de atuação.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  15. Adorei seu texto, Parabéns Sucesso
    Vc fez lembrar q para mim, é uma cultura inútil não assisto mais novelas!
    Sucesso

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: