que horas ela volta?

O primeiro livro que li esse ano foi Agosto (1990), do Rubem Fonseca. O mês em questão, que dá título à obra, é o de 1954, o agosto mais conturbado da história brasileira. O romance tem como pano de fundo os acontecimentos que culminaram no suicídio de Getúlio Vargas. Na contracapa da minha edição, encontra-se o seguinte texto: […] Um mês de crimes estarrecedores, de atentados políticos, de lutas infames pelo poder. Um mês de paixões, de gestos de desespero e de loucura. Um mês de multidões vociferantes nas ruas. Um mês sombrio de trágicas ilusões, encerrado pela inalterabilidade do cotidiano – a vida continua. […]

Após a leitura, fiquei me perguntando que outro mês da história brasileira ficou tão famoso. Não sei vosmecê, Leitor(a), mas o que me veio a cabeça foi obviamente o abril de 1964, que culminou no golpe militar que encerrou o governo do presidente democraticamente eleito João Goulart. Até hoje, os simpatizantes ao golpe insistem em ‘comemorar’ a data no dia 31 de março, levando em consideração os acontecimentos desse dia que culminaram no golpe do dia 1°, afinal, não pega nada bem para eles comemorarem um feito no dia da mentira. Ademais, foram os atos de abril que resultaram em vinte e um anos de regime militar.

Contudo, hoje, após ter vivido pouco mais de duas décadas, arrisco afirmar que maio de 2016 é um forte concorrente ao agosto de 1954 e o abril de 1964. Basta ler o pequeno texto da contracapa do livro de Rubem Fonseca que reproduzi acima. Esse texto poderia muito bem ter sido escrito sobre o nosso atual momento político que ninguém estranharia. Entretanto, maio também foi encerrado pela inalterabilidade do cotidiano, assim como foram os outros dois meses citados. Encerrada também pela inalterabilidade do cotidiano foi a votação na Câmara, que autorizou a instauração de processo de impeachment de Dilma Rousseff em 17 de abril desse ano. Não sei como consegui voltar à rotina no dia seguinte depois de sentir tanta vergonha alheia, nojo e tristeza ao ver a bancada da bíblia e da bala juntamente com um presidente réu, autorizarem um processo de impeachment sem crime de responsabilidade fiscal de uma presidenta democraticamente eleita.

O desenrolar de todo o processo de impeachment tem sido tão absurdo que a sensação é de estar dentro de um pesadelo ou de um filme de terror, e por falar em filme, estão lembrados(as) de que o produtor Antônio de Assis divulgou em 2011 que iria produzir um longa-metragem sobre a vida de Dilma Rousseff? O roteiro seria baseado no livro A Primeira Presidenta (2011), escrito pelo jornalista Helder Caldeira. O papel de Dilma foi oferecido a Marieta Severo que recusou, alegando ter outros compromissos para o mesmo período de filmagens (que deveria ter ocorrido em 2012). A recusa de Marieta deve ter sido um forte baque na produção do filme, pois desde então não se ouviu falar mais nele e até hoje não foi filmado. Falei desse assunto porque não gosto muito de cinebiografias de pessoas que ainda estão vivas. É comum existirem mais de uma biografia para pessoas públicas, porém, quando lançam uma cinebiografia, dificilmente outra será feita. Existem dois fatores que podem justificar isso: produzir um filme é infinitamente mais caro do que escrever um livro e o cinema está diretamente ligado a mercado, com os produtores dificilmente decidindo arriscar a bilheteria ao se vincularem a outro filme de uma mesma pessoa, acreditando que ninguém vai interessar-se por ver algo que já foi feito, mesmo que seja filmado de uma outra forma e com outro elenco. Teoricamente, seria diferente de um remake, porque neste os diretores podem mudar o final ou até mesmo o filme inteiro. Todavia, como mudar um filme que foi feito para contar uma história real?

Lembro que quando fiquei sabendo do filme, protestei comigo mesmo, pois Dilma mal havia assumido o primeiro mandato. Só conseguia pensar na seguinte questão: e se algo muito importante acontecer depois? Parece que eu estava adivinhando, pois nada (além do fato de ter sido presa e torturada durante a ditadura militar) parece ser mais importante do que o processo de impeachment que ela vive hoje, que por si só daria um filme e de terror! Foi pensando nisso que resolvi estruturar de uma forma clássica um mini-pseudo-argumento sobre tudo o que aconteceu com Dilma, caso tivesse que levar essa história às telonas. O filme seria um melodrama dos fortes, banhado de muito terror psicológico. Respire e leia:


1° Ato

Aqui começa nosso filme. No primeiro ato somos apresentados ao protagonista da história, que será Dilma Rousseff, nossa heroína (ou anti-heroína, se preferirem). É aqui que conheceremos também o mundo da história, que será ambientado em Brasília. Nesse início, será apresentado também o aliado da protagonista, que no filme será o ex-presidente Lula, além de conhecermos também os vilões da história, os inimigos da nossa protagonista, que aqui serão Michel Temer, oposição (em especial o PSDB), imprensa (em especial a Rede Globo), FIESP e claro, Eduardo Cunha. Veja que pelo grande número de inimigos e quase nenhum aliado, nossa protagonista é praticamente uma heroína solitária.

O filme começa em janeiro de 2015, quando Dilma já assumiu seu segundo mandato. Nossa protagonista encontra-se em exercício de sua função e, embora enfrente uma queda nos índices de popularidade e o país esteja vivendo uma crise financeira, acredita que agora, com o início do segundo mandato, conseguirá colocar novamente o país nos trilhos. Até que ela sofre sua primeira derrota: Eduardo Cunha (PMDB) é eleito presidente da Câmara com 267 votos. O candidato da presidenta, Arlindo Chinaglia (PT) recebeu 136 votos. Foi uma grande derrota para ela e instaura-se agora um forte clima de tensão no filme. Damo-nos conta de que a jornada de Dilma não será assim tão fácil.

No Dia Internacional da Mulher, 8 de março, nossa protagonista faz um pronunciamento em cadeia nacional e, em protesto, uma parte da população bate panelas: é o primeiro panelaço. Essa cena no filme será muito importante, porque vai ser aqui que a trilha sonora começará a ganhar forma. A partir de agora, toda a trilha do filme será formada por sons cada vez mais irritantes de panelaços.

2° Ato

Em paralelo à trama principal, a Operação Lava Jato segue a todo vapor, fazendo as primeiras vítimas no meio político. Estamos agora em maio. No segundo ato, nossa protagonista faz suas primeiras tentativas para livrar-se do problema que, no momento, é sua forte rejeição popular. Com isso, ela desiste de fazer seu pronunciamento nacional no 1° de maio, mas quando o programa do PT é veiculado no dia 5, acontecem novos panelaços.

Outra tentativa da nossa protagonista, foi o veto do reajuste de servidores no Judiciário, para não abrir um rombo ainda maior nas contas públicas, pois o custo desse aumento salarial para o governo seria de R$ 5,3 bilhões em 2016, de acordo com cálculo do Ministério do Planejamento. Em quatro anos, até 2019, o custo total seria de R$ 36,2 bilhões.

O Conselho de Ética da Câmara instaura processo que pode levar à cassação de Eduardo Cunha, presidente da Casa. O PT, partido da protagonista dessa história, decide votar a favor do processo de cassação no Conselho de Ética. É então que o vilão Eduardo Cunha, por retaliação à decisão do PT, aceita o pedido de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Aqui, na primeira metade do segundo ato, Dilma sofre essa forte manobra de seu inimigo. Não há mais volta para a protagonista, é preciso seguir em frente. Sua necessidade dramática agora será tentar livrar-se do golpe.

Tenhamos calma, nem tudo está perdido para Dilma, que possui maioria na Câmara, o que a deixa otimista. Ela sabe que conseguirá barrar o golpe, no entanto, nosso filme sofre aqui uma forte reviravolta: Dilma recebe uma carta do vice-presidente Michel Temer. A missiva (escrita para vazar) vaza e o país inteiro toma conhecimento de seu conteúdo. Nela, Temer deixa claro a frágil relação de ambos e reclama de cargos não concedidos, o que deixa o governo de Dilma ainda mais fragilizado.

O país perde o grau de investimento e a saída do PMDB da base aliada deixa a presidenta isolada no Congresso. Dilma, porém, tem mais uma carta na manga e convida o ex-presidente Lula para ocupar a Casa Civil, com a intenção de que ele consiga fazer uma ligação com os partidos. O que ninguém esperava é que áudios da presidenta fossem vazados pelo juiz Sérgio Moro. Os áudios foram utilizados para suspender a posse de Lula como ministro-chefe da Casa Civil. O filme encaminha-se para seu terceiro e último ato, com Dilma sofrendo uma série de derrotas consecutivas. Enquanto isso, a FIESP segue financiando o golpe e a Rede Globo ignorando as manifestações pró-Dilma. A votação na Câmara, que autoriza a instauração de processo de impeachment de Dilma em 17 de abril, é responsável pelas cenas mais nojentas, revoltantes e tristes do filme.

Na comissão do Senado, o parecer favorável ao impeachment de Dilma foi aprovado por 15 votos a 5. Conforme as votações vão sendo favoráveis ao afastamento, pensei em afastá-la cada vez mais do filme. Seu tempo diante da tela vai gradualmente diminuindo conforme o filme desenrola-se para o final. Tudo parece estar perdido, porém, o Supremo Tribunal Federal (STF) afasta por unanimidade Eduardo Cunha da Câmara, e o presidente interino, o deputado Waldir Maranhão (PP), anula a tramitação do processo de impeachment, cancelando a votação do processo na Câmara. Acende-se uma luz no fim do túnel, por um breve momento todos os inimigos parecem estar derrotados.

3° Ato

A sensação é de volta por cima, quase é possível ouvir a marcha da vitória. Entretanto, esse filme é uma tragédia. Todos sabemos que, no cinema, nossos heróis quase morrem nos minutos finais do filme antes de vencerem o vilão e desembocarem no tão desejado final feliz. Nas tragédias acontece o contrário: nos minutos finais, tudo parece bem, a sensação de vitória é palpável, mas o herói perde ou morre. Horas depois, o próprio Maranhão revoga sua anulação após sofrer fortes ameaças de expulsão do partido e uma possível perda de mandato. No apagar das luzes, Dilma ainda cria mais cinco universidades federais e regulamenta o importante Marco Civil da Internet e, no dia 12 de maio, a abertura do processo de impeachment é aprovada no plenário do Senado Federal por 55 votos a favor e 22 contra; nossa protagonista é derrotada. Afastada por até 180 dias, o vice-presidente Michel Temer assume a presidência. Sem vencer nenhuma eleição para Presidência da República em seus 50 anos de história, o PMDB emplaca o terceiro presidente em 30 anos, atingindo “100% de aproveitamento” de seus três vices que chegaram à Presidência.

Nesse momento do filme, a protagonista Dilma não aparece mais na tela. O que vemos é Temer assumir o governo na única sexta-feira 13 do ano, cortando ministérios e nomeando ministros citados na Lava-Jato para seu gabinete (dando-lhes foro privilegiado, sendo que, pelo mesmo motivo, Lula havia sido impedido de assumir a Casa Civil), formado apenas por homens brancos, sendo o primeiro desde o período de Ernesto Geisel (1974-1979), ainda na ditadura, a não incluir mulheres. O lema de seu governo é “não fale em crise, trabalhe” (qualquer semelhança com o “Brasil, ame-o ou deixe-o” do regime militar é mera coincidência). Em poucos dias de governo Temer, diálogos gravados de Romero Jucá revelam o que eles chamaram de “pacto” para deter o avanço da Lava Jato. Outros áudios ainda revelariam que PMDB, DEM, PSDB e SD financiaram com caixa 2 o Movimento Brasil Livre (MBL) que sempre se definiu como apartidário e sem ligações financeiras com siglas políticas (o que só os alienados conseguiam acreditar), escancarando para o Brasil inteiro o pacto feito pelos partidos para derrubar Dilma. ‘Pacto’, inclusive, poderia ser o título do filme, ou então ‘Volta, Querida’.

Eduardo Cunha, mesmo afastado, continua a dar as cartas. Os escândalos só aumentam, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros, do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, do senador Romero Jucá e do ex-presidente da República José Sarney, todos do PMDB, mesmo partido do então presidente Temer. Nas ruas (agora sem financiamento de partidos e da FIESP – pois eles já conseguiram o que queriam) não se ouvem mais o som das panelas. Sobem os créditos.


Bom, esse seria o meu filme; outras pessoas com certeza o fariam de outra forma. Muita coisa fica de fora e muitos fatos podem ficar sem as mínimas explicações. O mais ideal seria o formato de narrativa seriada, mas como vocês já devem saber, não gosto de séries. A sinopse, inclusive, eu pegaria emprestado da contracapa desta minha edição de Agosto: Um mês de crimes estarrecedores, de atentados políticos, de lutas infames pelo poder. Um mês de paixões, de gestos de desespero e de loucura. Um mês de multidões vociferantes nas ruas. Um mês sombrio de trágicas ilusões, encerrado pela inalterabilidade do cotidiano – a vida continua.

Preciso confessar que nem de longe sou a pessoa mais otimista do mundo. Por mais que a oposição ao novo governo Temer ganhe força e os movimentos populares ganhem cada vez mais as ruas, fico pensando que, se Dilma voltar, ela novamente será impedida de governar como foi desde que assumiu seu segundo mandato. Claro que, ainda assim, será melhor tê-la de volta do que continuar mais dois anos com um governo ilegítimo, que é uma ameaça real aos programas sociais. Resta-me torcer para que esse filme da vida real tenha uma continuação, de preferência, chamado de ‘Dilma, O Retorno’.

As coisas aqui mudaram muito. A vanguarda cristã assumiu o poder, o clima tá tenso”. A frase é de um dos personagens do filme Branco Sai, Preto Fica (2014), do diretor Adirley Queirós, um dos melhores e mais inteligentes filmes brasileiros dos últimos anos. É quando a ficção transcende a realidade. É exatamente com essa frase que eu responderia para alguém que me perguntasse sobre a atual situação política do país. Estou confuso, não faço a mínima ideia do que esperar daqui para frente. Embora tenha muitas críticas ao governo Dilma e reconheça seus erros, não consigo parar de me perguntar: que horas ela volta?

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

1 comentário

  1. Minha opinião sobre o governo: não votei nela e não queria ela, acontece que… A partir do momento que ela foi eleita, fui totalmente contra tirarem ela alegando um “crime” que não existiu (ao menos não no meu ponto de vista). Se o povo escolheu, que sofram as consequências de suas escolhas! Depois disso nós poderemos passar por impeachment a cada vez que o povo não “for com a cara” de um ou outro presidente… Enfim, tudo que podemos fazer agora é aguardar.

    https://reclusidadesdiarias.wordpress.com/

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: